quarta-feira, 26 de maio de 2010

Noites do Exílio *

A lembrança do teu rosto amado
é o conforto do meu coração e a
separação de ti
o fogo que me consome.
Guardo tua imagem no santuário
de minh’alma.
As tempestades
do caminho não hão de apagá-la.
Com que pesar arrasto a existência
pelas gélidas noites do exílio.
Milhares de estrelas suspensas no céu,
o perfume das rosas do nosso jardim,
a beleza dos teus olhos distantes
molhando meus instantes.
Na fria soleira da porta brota uma flor
e o rumor dos teus passos jamais chegaram
a esta terra estranha.
Quiçá um dia me avistes retornando
por entre as montanhas
e eu a encontre a cantar aquela
canção que carrego comigo como se fosse
uma oração.
Allah! Proteja minha amada
na casinha azul de Kandahar...


* A pedido de Hussaim Azhari para sua amada.
Enviar um comentário